Carregando...

Enoteca - Tópico: Vinho faz mal à saúde?

Mensagem
20/02/2009
Para o caso de ainda não ter ficado claro, a conduta médica recomendada é:

- não coibir o consumo de quem já tem o hábito, desde que orientando-o para a quantidade correta e o controle de outros fatores de risco associados que possam estar presentes.

- não estimular o consumo em abstêmios.

20/02/2009
De fato, isso já foi longuissimamente debatido aqui. Para não repetir muito, o resumo da idéia, amparado por recomendações que sigo da American Heart Association, que convido aos interessados a uma visita (www.americanheart.org) é:
- o consumo de vinho é benéfico em doses adequadas
- o consumo de vinho diminui as estatísticas de mortes por QUAISQUER causas
- o consumo de vinho por si só, não substitui outras medidas preventivas
- o consumo de vinho não deve ser estimulado em pacientes que não possuam o hábito de ingerir bebidas alcoólicas

Então temos o óbvio: o consumo MODERADO é benéfico, não aumenta a incidência de mortes nem cardíacas e nem por câncer ou cirroses ou afins, desde que bebido dentro dos padrões estabelecidos e com a velha máxima italiana que prega "nunca fora das refieções e sempre com água".
Todos os resultados benéficos se evidenciam em conjunto com medidas como: redução de peso, prática de atividades físicas, controle de fatores de risco associados como hipertensão, diabetes, colesterol alto e abstinência total de fumo. De nada adianta o sujeito fumar e fazer todo o resto, ou cuidar de um único fator ignorando os demais.

Texto da AHA (fev/2007):

The researchers found that a light intake of alcohol (on average less than one glass per day) was associated with a lower rate of cardiovascular death and death from all causes. When compared to spirits and beer, consumption of small amounts of wine, about a half a glass a day, was associated with the lowest levels of all-cause and cardiovascular deaths.

“Our study showed that long-term, light alcohol intake among middle-aged men was associated not only with lower cardiovascular and all-cause death risk, but also with longer life expectancy at age 50,” said Martinette T. Streppel, lead author of the study and a Ph.D. student in the Division of Human Nutrition at Wageningen University and National Institute for Public Health and the Environment (RIVM) in Bilthoven, The Netherlands. “Furthermore, long-term light wine consumption is associated with a further protective effect when compared to that of light-to-moderate alcohol intake of other types.”

“The cardio-protective effects of alcohol and wine only held up for light alcohol consumption in middle-aged men. Heavy alcohol consumption may cause accidents and diseases such as cancer and cirrhosis of the liver, even though this was not observed in our study. Since alcohol consumption can be addictive, starting to drink alcohol because of its positive health benefits is not advised.”

How alcohol or wine might affect cardiovascular risk merits further research, but right now the American Heart Association does not recommend beginning to drink wine or any other form of alcohol to gain these potential benefits. The association does recommend that to reduce your risk you should talk to your doctor about lowering your cholesterol and blood pressure, controlling your weight, getting enough physical activity and following a healthy diet and quit smoking, if you smoke. There is no scientific proof that drinking wine or any other alcoholic beverage can replace these conventional measures.

20/02/2009
isso já foi "post" por aqui... Nenhuma matéria ou revista seja ela científica ou comercial deve ser 100% acreditada..... afinal de contas até por trás de revistas científicas existe um COMÉRCIO e MARKETING... O que eu achei engraçado na revista Saúde e esperava um comentario ironico SOBRE O TEMA é o conteúdo não no sentido importância acadêmica mas sim o sarcastico da coisa.... que me importa se vinho pode combater o herpes.... Achei que alguem tivesse lido e pudesse rir comigo da materia....

VINHOS FAZ BEM BEM A SAÚDE SIM.... MAS VAMOS E VIEMOS TEMOS QUE LER AS COISAS COM BONS OLHOS.... VINHO BOM FAZ BEM EM DOSES MODERADAS... MAS APELAR PRA DOENÇAS VENEREAS AI É COMICO....
COM O SARCASMO TRADUZIDO VAMOS RIR.... HAUHAUAHUAHUA
OU FICA POR ASSIM "Vania vc escreve muito mal" que ninguem entendeu o sarcasmo e pensou q estivesse falando a serio.... huahauauahua

20/02/2009
Revista Saúde não é referência.

Vinho faz bem sim, mas ao mesmo tempo faz mal.

O álcool da cerveja e da cachaça que causa câncer de fígado, pâncreas, estômago, garganta e intestino é o mesmo álcool do vinho.

O negócio é não abusar. Ingerir bebidas alcólicas todos os dias não é algo recomendado.

18/02/2009
Existem milhares de trabalhos cientificos ,publicados em revistas de renome no mundo academico, que demonstram os beneficios do vinho ao organismo. O que devemos lembrar é que o vinho não pode ser receitado como remedio e,como bebida alcoolica que é, apresenta restrições `para aqueles que tenham reações sensiveis ao alcool. Aos demais, um consumo moderado (duas ou tres taças de 120 ml por dia) só fará bem. Degustemos sempre, especialmente bons vinhos. Saude!

17/02/2009
inho não faz mal a saúde....
FAZ bem....

Em um artigo na revista Saude: vai uma parte.... Estudos fermentam os motivos para se colocar o vinho no cardápio do dia-a-dia: ele faz bem ao coração e, segundo pesquisas recentes, uma de suas moléculas pode combater o câncer e o herpes....

JÁ DIZIAM OS NONOS....

(salvo aquelas situações que nem dá pra publicar o nome do maledeto, mas ai falamos de vinhos de qualidade duvidosa...)

VINHO BOM FAZ MUITO BEM!

21/01/2009
Vania, acho que postar o nome do vinho nesta hora é um serviço de utilidade publica. digo mais, saude publica rsrsrsrs

11/12/2008
Pois é gente. O caso do álcool é realmente muito sério e outro dia mesmo estava em uma roda de amigos juristas discutindo o assunto. Falávamos do problema que o sistema de saúde brasileiro enfrentará dentro de pouco tempo devido aos malefícios do álcool.

Comentei que ocorrerá a mesma coisa que houve com o cigarro. O fumo era motivo de orgulho, ostentação, a “marca” do homem, o clássico másculo cowboy da Marlboro e hoje vemos tantas pessoas morrendo, se adoentando e o cigarro passou para o “lado negro” da sociedade.

A bebida está como o cigarro em seu estágio inicial, é motivo de orgulho, o jovem de 14 anos ostenta para os amigos o “porre” que tomou na festinha, virou a “marca” do homem e também da mulher, sinal de amadurecimento, o marketing capricha e exibe mulheres e homens com corpos perfeitos tomando a “gelada” num dia de sol, na praia, somente gente bonita e alegre, ou então em festas elegantes, boates etc.

O triste é que a semelhança não é banal e sofreremos os mesmos resultados do cigarro na bebida em um futuro próximo, pessoas morrendo, se adoentando aos milhares, gastos enormes com saúde e sem dúvida danos à imagem do vinho, pois querendo ou não é uma bebida alcoólica e poucos terão consciência para pensar como o amigo André abaixo.

A grande diferença para com o cigarro é o fato do vinho em doses moderadas auxiliar na manutenção da saúde, no entanto, se trata de uma escolha pessoal e que por erro de muitos, alguns pagarão com aumento de impostos, taxas, dificultarão as importações e por ai vai.

O futuro é tenebroso e conhecemos o final, uma solução seria a intervenção dos Poderes da União com normas claras, rígidas, executáveis, porém ai já entrar-se-ía em outras longas e DESESPERANÇOSAS discussões, é triste ver como as coisas realmente funcionam aqui.

10/12/2008
È verdade Mauricio, se for ilegal, seria impensável até porque ninguém pararia de beber e a proliferação de fraudes iria imperar, agora como droga legal ele já é, mas a questão deveria ser a de sempre: o vinho em particular ser considerado alimento, mas é uma batalha para daqui muitos séculos se a civilização brasileira como um todo evoluir de forma equânime, porque o que temos em nosso país são nichos culturais totalmente desvinculados, da mais alta "nobreza" (de costumes) até a barbárie e ignorância plena, passando por arranjos sociais tribais, feudais, sociedades escravagistas, coronelistas e o escambau.
Aliás sem descambar para tratados filosóficos, a grande questão é o ser humano, veja que não o objeto em si que determina se ele próprio é uma droga ou não, mas o "usuário" (hahaha...já pensou declarar à polícia: sim, eu sou usuário de vinho..rs). Então enquanto tivermos seres humanos ruins, teremos substâncias categorizadas como ruins ou danosas.

10/12/2008
Se eu fosse questionado nesta enquete responderia

Se moderado NÃO
Se exagerado SIM